Produtor de lítio adquire a mina de diamantes Renard

A Winsome Resources assinou um acordo para adquirir a mina a céu aberto e a mina subterrânea de Renard, bem como as suas infra-estruturas, para utilização como armazém de rejeitos de lítio.

Ontem

Arábia Saudita anuncia concurso para seis licenças de exploração mineira

A Arábia Saudita anunciou um concurso para o desenvolvimento de seis campos mineiros. Os pedidos de participação no concurso são aceites de 1 de abril a 31 de maio, as propostas técnicas devem ser apresentadas até ao início de maio e os vencedores serão...

Ontem

O conselho de supervisão da ALROSA vai realizar uma reunião sobre o pagamento de dividendos para 2023

O conselho de supervisão da empresa russa de extração de diamantes ALROSA vai realizar uma reunião em 12 de abril, na qual irá considerar a distribuição de dividendos para 2023, informa a TASS citando os representantes da empresa.

Ontem

A Petra Diamonds continua no bom caminho para conseguir 75 milhões de dólares de poupanças em dinheiro

A Petra Diamonds continua no bom caminho para realizar poupanças de dinheiro no valor de 75 milhões de dólares no ano fiscal de 2024, em resultado de adiamentos de capital e poupanças de custos de cerca de 10 milhões de dólares.

Ontem

RDC suspende empresas de subcontratação que trabalham em minas geridas pelo ERG

A República Democrática do Congo (RDC) suspendeu nove empresas de subcontratação que trabalhavam em minas geridas pelo Eurasian Resources Group (ERG), aumentando as complicações enfrentadas pelos produtores de cobalto e cobre no país...

10 de abril de 2024

A escassez de platina ainda não influencia o preço

05 março 2024

Embora o preço da platina em 2023 pareça significativamente mais forte do que o preço do paládio, este não é claramente o resultado que os produtores de platina, investidores e peritos esperavam há um ano. O otimismo exagerado em relação à platina pode ser observado quando se analisam os resultados do Inquérito Anual de Previsão de Metais Preciosos da LBMA do ano passado. A previsão mais pessimista revelou-se muito próxima do preço real e a previsão do preço médio (1 080 dólares por onça) feita pelos analistas inquiridos foi 11% superior ao preço médio real (965 dólares por onça) em 2023. As cotações de preços foram afectadas negativamente por factores macroeconómicos que levaram à venda das reservas de platina acumuladas pelos fabricantes de automóveis, bem como pela estabilidade inesperada da produção primária de platina na África do Sul, que se previa que diminuísse devido a cortes de energia. Estes factores sobrepuseram-se ao efeito do défice do mercado da platina, que alguns especialistas consideram ter sido recorde nos últimos 50 anos.

As previsões apontam para que, em 2024, a escassez de platina se mantenha, com a procura na indústria automóvel a continuar a aumentar devido à substituição do paládio, embora o número total de veículos com catalisadores para automóveis deva diminuir devido à crescente penetração de veículos eléctricos no mercado. Mas a experiência de 2023 sugere que um défice estrutural não é uma garantia suficiente para o crescimento dos preços. A situação poderá mudar se os maiores produtores de platina começarem a reduzir mais ativamente a produção nas suas empresas de elevado custo.

Défice recorde

O Conselho Mundial de Investimento em Platina (WPIC) espera que até ao final de 2023, o défice de platina ascenda a 1,071 milhões de onças, o que constitui um valor historicamente recorde, tanto em termos absolutos como em percentagem da procura anual. O défice é equivalente a 13% da procura anual estimada de platina. Este valor estimado inclui a procura de investimento de 386 mil onças contra uma saída de 640 mil onças no ano anterior.

O WPIC prevê que a oferta de platina caia 3% (em 182 mil onças) em 2023 para 7,079 milhões de onças, o que é 9% abaixo do nível médio de oferta desde 2013. A procura em 2023 deverá crescer 26% (quase 1,7 milhões de onças) para 8,15 milhões de onças.

Em dezembro, a Norilsk Nickel reviu a estimativa do equilíbrio entre a oferta e a procura no mercado da platina, e agora a empresa prevê um défice (excluindo a procura de investimento) igual a 400 mil onças em vez de um mercado equilibrado. De acordo com as estimativas da empresa, a procura crescerá 8% (600 mil onças) e a oferta diminuirá 1%. "O crescimento da produção primária de platina, impulsionado em grande parte pela resistência das empresas mineiras da África do Sul às falhas de energia, não será suficiente para compensar o aumento da procura de platina do sector automóvel", explicou a Norilsk Previsões para 2024

De acordo com as estimativas da Norilsk Nickel, o mercado da platina deverá entrar em défice em 2024, que será comparável aos valores do ano passado e ascenderá a 300 mil onças. O crescimento da procura será moderado (em 2%, ou 100 mil onças), e a oferta recuperará um pouco e aumentará 2%, ou 400 mil onças. A recuperação dos volumes de reciclagem de platina será compensada por um aumento do consumo industrial nos sectores do vidro e da eletrónica, segundo as previsões da Norilsk Nickel. Simultaneamente, existe um risco significativo na produção primária de platina na África do Sul e na América do Norte, devido à potencial otimização dos custos em projectos de baixa margem nessas regiões.

O HSBC Global Research sugere também que o défice estrutural de platina se manteria sensivelmente ao mesmo nível em 2024 e aumentaria em 2025, afectando o preço do metal. O consumo de platina na indústria automóvel poderá aumentar ainda mais devido à tendência continuada para substituir o paládio. As perspectivas de outras fontes de procura industrial terão também um efeito positivo no consumo de platina, segundo o HSBC.

O WPIC prevê uma redução significativa do défice de metal em 2024 em relação a 2023, para 353 mil onças. Este ano, a oferta de platina aumentará 3%, para 7,31 milhões de onças, devido ao comissionamento de capacidades de geração de energia na África do Sul, o que resultará na redução do tempo de inatividade nas plantas metalúrgicas do país. E a procura de platina diminuirá 6% (em 487 mil onças), para 7,663 milhões de onças, influenciada por uma redução na procura industrial e de investimento (em 285 mil e 303 mil onças, respetivamente).

Autocatalisadores vs. veículos eléctricos

O WPIC estima a demanda de platina da indústria automotiva em 3,262 milhões de onças em 2023, um aumento de 14% em relação a 2022. O crescimento da demanda de platina foi impulsionado por vendas de automóveis acima do esperado e substituição de paládio por platina em veículos movidos a gasolina, bem como pelo crescimento geral das cargas de PGM em catalisadores, especialmente para caminhões e veículos fora de estrada.

Mas em 2024, após três anos consecutivos de crescimento de dois dígitos na procura de platina utilizada no fabrico de veículos, o consumo de platina para automóveis deverá crescer apenas 1,5%, para 3,312 milhões de onças, de acordo com a previsão do WPIC. Embora a produção total de veículos deva aumentar em 2 milhões de unidades, a produção de veículos com catalisadores para automóveis deverá diminuir de 78 milhões para 77 milhões, devido à maior penetração no mercado de veículos eléctricos a bateria (BEV). O maior impacto nos motores de combustão interna (ICE) está previsto na China, onde se planeia fabricar menos 1 milhão de veículos a gasolina. Este facto pode ser parcialmente compensado pelo aumento da produção de veículos pesados com catalisadores de platina.

Mesmo apesar da crescente popularidade dos VEB, as tendências da oferta e da procura favorecerão a platina em detrimento do paládio, Afirma os peritos do Deutsche Bank Research. De acordo com as suas estimativas, as vendas globais de veículos ICE, incluindo os híbridos não ligados à corrente eléctrica, deverão diminuir 3,1% em 2024 e 3,7% em 2025. De 2025 a 2030, o ritmo de introdução de veículos eléctricos irá acelerar e as vendas de ICE deverão diminuir mais rapidamente - 5,1% por ano. Este facto será apenas parcialmente compensado pelo aumento das cargas de platina nos catalisadores para satisfazer normas de emissão mais rigorosas. Como resultado, a procura de catalisadores para automóveis de platina pode cair 40 a 60 mil onças em 2024 e 2025, mas a procura de catalisadores para automóveis de paládio pode ser muito mais afetada, diminuindo 270 a 300 mil onças por ano.

Por outro lado, o paládio é menos afetado pelos cortes de produção feitos pelos produtores que são forçados a ajustar o seu desempenho porque o custo do cabaz de PGM se aproxima dos custos de produção pela primeira vez desde 2018. O maior produtor Amplats baixou a sua previsão de produção para 300 mil onças em 2024 e 300 mil onças em 2025 para ajustar tanto a produção das suas próprias minas como as compras de concentrado. Com base no mix de produção da Amplats, isso implicaria uma maior redução na produção de platina do que de paládio (134 mil onças vs 95 mil onças). Consequentemente, o saldo do paládio deverá continuar a diminuir em comparação com a platina, com a platina a ser transaccionada com um prémio em relação ao seu metal aliado em 2025, conclui o Deutsche Bank Research.Nickel. Outro fator foi a diminuição dos volumes de reciclagem de platina.

Outros sectores com procura

Prevê-se que a procura industrial de platina em 2023 atinja 2,652 milhões de onças, um aumento de 14% em relação ao ano anterior. Este valor será o mais elevado de que há registo, acredita o WPIC. O principal motor desta procura é o aumento das capacidades de produção de vidro e produtos químicos (em menor escala), que compensam o enfraquecimento dos segmentos petrolífero e elétrico. Em 2024, a demanda industrial deve cair 11% em relação ao nível recorde de 2023 e chegar a 2.367 milhões de onças, embora esse resultado permaneça 14% acima do valor médio desde 2013.

A demanda por jóias de platina em 2023 diminuirá 3%, para 1.852 milhões de onças, de acordo com o WPIC. Espera-se que a procura de jóias de platina recupere 3% em 2024 devido ao aumento da produção de jóias de platina na China, em meio ao crescimento económico mais forte e ao melhor padrão de gastos do consumidor, além de a platina se tornar mais popular na Índia. Nos EUA, o crescimento das vendas de diamantes cultivados em laboratório (LGDs) pode ser um fator positivo inesperado, uma vez que o preço mais baixo dos LGDs permite gastar mais dinheiro em alianças de casamento mais caras.

O WPIC acredita que a procura de investimento apresentará um progresso significativo em 2023, embora o resultado a ser alcançado seja apenas um mínimo de dois anos, muito inferior aos períodos anteriores. Em 2024, a procura líquida de investimento deverá diminuir para 82 mil onças, num contexto de saídas previstas de 170 mil onças dos ETF, devido à persistência de taxas de juro elevadas que suprimem a procura de activos não rentáveis. Quando os depósitos em numerário oferecem rendimentos recorde, os pequenos investidores mostram pouco interesse em produtos de investimento em metais preciosos. As perspectivas de investimento em moedas e barras também permanecem fracas, afirma o WPIC.

Fabricantes iniciam despedimentos

Em 2023, a produção global de platina refinada aumentará 3%, para 5,9 milhões de onças, mas um declínio significativo na refinação exercerá pressão sobre a oferta total este ano, acredita a Norilsk Nickel. A reciclagem de platina é baixa devido a razões macroeconômicas, uma vez que a inflação elevada e os empréstimos caros fazem com que os proprietários de automóveis utilizem os seus veículos durante mais tempo. Além disso, com os baixos preços dos platinóides, as partes interessadas preferem acumular materiais à espera de condições mais favoráveis para iniciar a reciclagem. De acordo com a Sibanye, os volumes de reciclagem caíram 42% em 9 meses em comparação com os valores de 2022.

Espera-se que a reciclagem de platina seja retomada em 2024, mas o fornecimento de platina primária pode enfrentar problemas, alguns dos quais não foram encontrados no passado, acredita Norilsk Nickel. Os riscos associados ao fornecimento de energia da empresa estatal de produção de eletricidade Eskom na África do Sul mantêm-se porque, após as eleições presidenciais neste país, a crise de carga de energia pode agravar-se. "Em segundo lugar, a inflação em curso na indústria mineira e a queda dos preços dos platinóides estão a colocar as grandes minas da América do Norte e da África do Sul sob pressão económica, o que obrigará as empresas mineiras a encerrarem minas não rentáveis e a despedirem milhares de trabalhadores", Declarou a Norilsk Nickel na sua análise.

A Norilsk Nickel estima que, se os baixos preços dos platinóides continuarem em 2024 e não houver uma depreciação significativa do rand sul-africano, a exploração mineira nas operações com uma produção combinada de 1,4 milhões de onças de paládio, 2,5 milhões de onças de platina e 0,3 milhões de onças de ródio tornar-se-á economicamente inviável.

Alguns produtores sul-africanos já iniciaram programas de redução de custos. No ano passado, a Sibanye-Stillwater anunciou o encerramento das suas duas minas mais antigas e a reestruturação das suas duas operações de custo mais elevado. Esta medida resultará numa diminuição da produção anual nas minas de Marikana e Rustenburg, na África do Sul, cujos custos se situam no 3º e 4º quartis da curva de custos, respetivamente, bem como no ajustamento da previsão de produção para 2024. A empresa americana Stillwater - também ela afetada pela queda dos preços e pelo aumento dos custos - anunciou a supressão de quase 300 postos de trabalho, o que afectará igualmente a produção da empresa. A empresa Impala cortou postos de trabalho em algumas das suas minas. "A recente queda dos preços do cabaz de platinóides, combinada com a falta de capacidade de refinação na região, torna altamente improvável o lançamento de projectos novos e existentes", afirma a Norilsk Nickel na sua análise.

A redução da oferta de platina efectuada pela indústria mineira sul-africana num contexto de forte procura de platina pode conduzir a um aumento significativo dos preços da platina nos próximos meses, Afirma o perito David Davis, que tem 45 anos de experiência na indústria mineira sul-africana. Refere-se ao facto de a China estar a aumentar ativamente as suas reservas de platina, tendo acumulado 12 milhões de onças, o que representa 57% do total das reservas mundiais. Estes volumes estão fora do alcance dos países ocidentais, cujas reservas estão a diminuir, e a indústria mineira não consegue responder aos desafios da procura, o que pode pôr em causa o ritmo do processo de descarbonização global. Segundo Davis, um aumento muito substancial do preço da platina como resposta ao défice global de platina é apenas uma questão de tempo.

Sergey Bondarenko para a Rough&Polished