Produtor de lítio adquire a mina de diamantes Renard

A Winsome Resources assinou um acordo para adquirir a mina a céu aberto e a mina subterrânea de Renard, bem como as suas infra-estruturas, para utilização como armazém de rejeitos de lítio.

Ontem

Arábia Saudita anuncia concurso para seis licenças de exploração mineira

A Arábia Saudita anunciou um concurso para o desenvolvimento de seis campos mineiros. Os pedidos de participação no concurso são aceites de 1 de abril a 31 de maio, as propostas técnicas devem ser apresentadas até ao início de maio e os vencedores serão...

Ontem

O conselho de supervisão da ALROSA vai realizar uma reunião sobre o pagamento de dividendos para 2023

O conselho de supervisão da empresa russa de extração de diamantes ALROSA vai realizar uma reunião em 12 de abril, na qual irá considerar a distribuição de dividendos para 2023, informa a TASS citando os representantes da empresa.

Ontem

A Petra Diamonds continua no bom caminho para conseguir 75 milhões de dólares de poupanças em dinheiro

A Petra Diamonds continua no bom caminho para realizar poupanças de dinheiro no valor de 75 milhões de dólares no ano fiscal de 2024, em resultado de adiamentos de capital e poupanças de custos de cerca de 10 milhões de dólares.

Ontem

RDC suspende empresas de subcontratação que trabalham em minas geridas pelo ERG

A República Democrática do Congo (RDC) suspendeu nove empresas de subcontratação que trabalhavam em minas geridas pelo Eurasian Resources Group (ERG), aumentando as complicações enfrentadas pelos produtores de cobalto e cobre no país...

10 de abril de 2024

O centro de diamantes da Bélgica

20 março 2024

No final de fevereiro de 2024, o Gem and Jewellery Export Promotion Council (GJEPC), a World Federation of Diamond Bourses (WFDB), o World Diamond Council (WDC) e a International Diamond Manufacturers Association (IDMA) Enviaram uma carta ao G7 expressando a sua preocupação com as sanções impostas à indústria de diamantes russa. As organizações do sector argumentam que as sanções impostas pelos países do G7 podem prejudicar gravemente o sector dos diamantes no seu conjunto e, além disso, darão vantagens competitivas adicionais aos diamantes brutos russos. As objeções específicas foram desencadeadas pela exigência imposta pelo G7 aos produtores de diamantes (exceto o Canadá) de enviarem obrigatoriamente os seus diamantes brutos para a Bélgica, onde as pedras preciosas devem ser certificadas. Os iniciadores das sanções exigem que Antuérpia se torne o único "ponto de entrada" de diamantes em bruto nos mercados do G7 - e esta é, supostamente, uma medida necessária para cortar os diamantes em bruto russos do mercado civilizado.

Os argumentos contra esta decisão resumem-se ao seguinte:

- o envio obrigatório dos diamantes brutos para a Bélgica implica custos adicionais necessários para o seu transporte, seguro, certificação, registo, etc., o que inevitavelmente aumentará o preço dos diamantes no consumidor final, tornando-os assim menos competitivos em relação aos diamantes brutos russos;

- a transformação artificial de Antuérpia num centro mundial de comércio de diamantes é contrária ao princípio do mercado livre, confere vantagens concorrenciais injustificadas à Bélgica e viola ilegalmente os direitos dos centros de comércio de diamantes de outros países

- a intermediação imposta pela Bélgica no sector dos diamantes complica os contactos dos produtores de diamantes (principalmente africanos) com os seus clientes e dificulta esses contactos, priva os produtores de diamantes de uma parte dos seus lucros legítimos e pode tornar-se um motor do contrabando.

Os argumentos são completamente justos e lógicos. Vale a pena mencionar que foram formulados pelas organizações que suspenderam indefinidamente ou terminaram completamente a participação da Rússia ou da ALROSA. Assim, os russos tiveram, no máximo, uma influência menor nesta iniciativa. Esta é verdadeiramente a voz da indústria, a voz dos profissionais que são guiados pelo senso comum e pela compreensão profunda das realidades do mercado de diamantes e não por interesses políticos imediatos.

As objecções das organizações do sector são, sem dúvida, justas, mas convém referir que o mecanismo de sanções utilizado pelos países do G7 manifesta alguns sinais de racismo. Com efeito, os iniciadores das sanções libertaram os diamantes brutos canadianos da certificação obrigatória na Bélgica, mas os diamantes brutos dos produtores africanos e sul-americanos estão sujeitos à certificação obrigatória em Antuérpia. Porque é que o Canadá é melhor do que o Botsuana, a África do Sul, Angola ou o Brasil? Será a cor da pele dos habitantes destes países e do pessoal das suas empresas de extração de diamantes que é diferente? Os "senhores brancos" são mais fiáveis? Será que vivemos mesmo no século XXI? Parece que esta já não é uma pergunta retórica! E para responder corretamente, vale a pena recordar algumas das circunstâncias que acompanharam a criação e o desenvolvimento do pólo diamantífero belga.

A Bélgica era uma grande potência colonial e controlava o Estado Livre do Congo (atual RDC) desde 1885. O governo belga é o período mais vergonhoso de toda a história da colonização de África, foi um genocídio puro e simples da população local, praticamente toda a população local foi transformada em escrava, milhões de pessoas foram sistematicamente exterminadas de forma deliberada e a sangue frio, a administração belga praticou o racismo no sentido pleno da palavra. Na imprensa mundial, o Congo era designado como "o país das mãos decepadas", porque era esse o castigo aplicado aos "negros" por não terem cumprido as normas de produção estabelecidas para a colheita do látex (o principal produto da colónia) das seringueiras.

Em 1906, foi criada a empresa mineira Forminiere no Estado Livre do Congo. Em 1913, esta empresa começou a extrair diamantes no Congo Belga. Em 1940, foram extraídos cerca de 10 milhões de quilates de diamantes brutos na colónia belga, o que representava quase 3/4 da produção mundial. Tratava-se principalmente de diamantes industriais que tinham grande procura no mercado antes da 2ª Guerra Mundial. Sendo líder na produção de diamantes brutos (em volume), a Bélgica também levava a palma como negociante e centro de lapidação e polimento, pois mais de 25 mil negociantes de diamantes e polidores trabalhavam em Antuérpia, o que é cinco vezes mais do que em Amesterdão, que ocupava o segundo lugar.

Desde o início da Segunda Guerra Mundial, a Bélgica manteve um estatuto de neutralidade e o Centro de Diamantes de Antuérpia serviu como fonte legítima de diamantes em bruto para os Estados Unidos e as potências do Eixo. Mas, em 10 de maio de 1940, as tropas da Alemanha nazi atravessaram a fronteira da Bélgica, dos Países Baixos e do Luxemburgo e, em 28 de maio, o exército belga capitulou. A rápida vitória dos nazis não se deveu, de forma alguma, à fraqueza das forças armadas belgas e aliadas; pelo contrário, a Bélgica excedeu significativamente a Wehrmacht em número de tanques e de canhões e era inferior apenas na aviação. O sucesso dos alemães pode ser explicado, em certa medida, pela atração que as doutrinas raciais nazis exerciam sobre alguns belgas, bem como por um grande número de estruturas fascistas e para-fascistas na sociedade belga, como o partido Rexista e as organizações católicas de direita. Após a ocupação, a Bélgica tornou-se líder na Europa em número de colaboradores per capita; a ampla colaboração com os nazis verificou-se em todas as áreas administrativas e de produção, e os voluntários belgas também se juntaram à 27ª Divisão SS Langemark (1ª flamenga) e à 28ª Divisão SS Wallonien (1ª valã).

O centro diamantífero de Antuérpia caiu quase imediatamente sob o controlo nazi e continuou a trabalhar eficientemente. Os seus inventários, infra-estruturas, comunicações, apoio financeiro, canais de exportação e importação - toda a máquina "bem afinada" - começou a funcionar no interesse do Terceiro Reich sem falhas, resistência ou sabotagem. No início, até as pessoas "racialmente inferiores" foram deixadas em paz. Mas, apesar disso, o "génio sombrio da nação alemã" trouxe algumas inovações à indústria dos diamantes. Contabilidade e controlo total! Nem um único quilate deve escapar-lhe! Certificação total, rastreio e "blockchain"!

Imediatamente após a ocupação de Antuérpia, foi criado o Diamant-Kontrollestelle, um departamento especial para o controlo dos diamantes, dirigido por William Frensel, um diamantífero belga, colaborador e agente da Gestapo. Em 30 de janeiro de 1941, este departamento foi transformado em Diamantcentrale, um departamento composto por funcionários do governo de ocupação, dos serviços secretos alemães, da empresa Forminier e do Ministério da Economia belga. A sede, denominada Diamantcontrole, situava-se em Antuérpia. A partir deste momento e até à rendição da Alemanha nazi em maio de 1945, o Terceiro Reich não teve qualquer dificuldade em obter diamantes em bruto e em fabricar instrumentos diamantíferos utilizados na sua indústria de defesa.

Belgium_diamond_hub.jpg

Fig.1. Gustaaf Breugelmans, o mais influente diamantífero colaborador belga (centro), e um oficial alemão (direita).

Esperemos que esta breve visão histórica possa ser útil para os angolanos, namibianos, congoleses e outros africanos que agora terão de se deslocar constantemente a Antuérpia para obter a "isenção de sanções" para os seus diamantes em bruto. E depois, ao olhar para o sorriso deslumbrante de um colega canadiano numa qualquer cimeira do sector, pensar que esta pessoa sortuda foi poupada a uma "peregrinação" regular à Bélgica, um país com uma herança colonial tão "gloriosa" e com um passado de guerra - só porque é "branco". Se os diamantes em bruto podem ser divididos em "bons" e "maus" pela sua origem, o que é que impede de dividir as pessoas pela sua cor de pele, e os belgas, aparentemente, têm uma experiência histórica considerável nesta matéria.

Os nossos amigos africanos devem também saber que, em 2019, trinta cidadãos belgas receberam pensões (de 425 a 1275 euros por mês) pelo seu serviço nas tropas SS durante a 2ª Guerra Mundial. E os seus herdeiros também têm direito a receber estas somas de dinheiro.

E, finalmente, sabe qual é o país europeu que é o maior importador de gás natural liquefeito russo (com base nos resultados de 2023)? É isso mesmo, é a Bélgica! Os diamantes em bruto russos são "sangrentos", mas o gás natural russo é azul e, além disso, não tem cheiro. E, como sabem, "Non olet pecunia!" (O dinheiro não cheira mal!)

Sergey Goryainov para a Rough&Polished