Ivanhoe produz 187k t de cobre no primeiro semestre na mina da RDC

A Ivanhoe Mines produziu 100.812 toneladas (t) de cobre em concentrado no Complexo de Cobre de Kamoa-Kakula na República Democrática do Congo (RDC) durante o segundo trimestre e 186.925 t de cobre no primeiro semestre do ano.

Hoje

A Petra obtém 366 milhões de dólares com o sétimo concurso de diamantes em bruto

A Petra Diamonds, que tem operações na África do Sul e na Tanzânia, obteve US $ 366 milhões em receita com seu sétimo concurso de diamantes em bruto para o ano fiscal (FY) 2024, um crescimento de 13% em comparação com US $ 324 milhões no...

Ontem

A queda do mercado indiano de diamantes em bruto não conduzirá ao congelamento das importações - diretor do GJEPC

A recessão do mercado de diamantes em bruto na Índia não conduzirá ao congelamento das importações. Foi o que afirmou o Presidente do Conselho de Promoção das Exportações de Gemas e Jóias (GJEPC), Vipul Shah.

Ontem

A LME suspende as entregas de níquel da fábrica da Nornickel na Finlândia

A London Metal Exchange anunciou a suspensão das entregas de níquel da fábrica de processamento Nornickel Harjavalta, na Finlândia, a partir de 3 de outubro.

Ontem

Vedanta obtém $250m para pagar as dívidas da mina de cobre da Zâmbia

A Vedanta Resources obteve o financiamento necessário para iniciar os pagamentos aos credores das suas minas de cobre de Konkola, na Zâmbia.

Ontem

Política e diamantes: África fica a perder com as sanções do G7 e da UE contra a Rússia

04 de julho de 2024

O Grupo dos Sete (G7), uma organização intergovernamental composta pelas maiores economias desenvolvidas do mundo (Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos), trabalhou em conjunto com os líderes da União Europeia (UE) para impor sanções aos diamantes russos.

A ideia é cortar as receitas provenientes do comércio de diamantes que o Kremlin precisa para financiar a sua guerra contra a Ucrânia, que começou em fevereiro de 2022.

As sanções do G7 e da UE foram impostas às importações diretas de diamantes russos em janeiro.

A partir de 1 de março, a proibição abrange as importações directas de pedras russas com mais de 1 quilate e, a partir de 1 de setembro, as de diamantes com mais de 0,5 quilates.

No entanto, a UE prorrogou recentemente por seis meses, até 1 de março de 2025, o chamado período de arranque do sistema de rastreabilidade obrigatório.

Os diamantes destinados à UE passam agora por Antuérpia, um centro mundial de diamantes na Bélgica, para efeitos de certificação de rastreabilidade utilizando a cadeia de blocos.

Este facto deu origem a alguns desafios, apesar das garantias de que o desalfandegamento das remessas seria feito em pouco menos de 24 horas.

Queixas

Tal como o Rapaport noticiou a 14 de março, pelo menos 146 empresas escreveram uma carta ao Centro Mundial de Diamantes de Antuérpia (AWDC) queixando-se de que, apesar de apoiarem as sanções, a medida teve consequências indesejadas, tais como custos adicionais e atrasos nos envios.

"A intenção era impedir o fluxo de diamantes provenientes de Estados sancionados, mas a realidade que enfrentamos é a grave perturbação das nossas cadeias de abastecimento e a alienação do resto do comércio mundial", lê-se numa parte da carta.

"Isto está a resultar num aumento significativo das despesas e numa perda insubstituível de negócios. Não estamos a conseguir satisfazer as encomendas dos nossos clientes e temos de financiar o excesso de existências bloqueadas, e está a ser-nos exigida documentação que não foi pedida antecipadamente."

A carta referia ainda que algumas das mercadorias bloqueadas incluíam diamantes em bruto provenientes de países africanos produtores de diamantes.

Não admira que o Presidente do Botswana, Mokgweetsi Masisi, tenha dito recentemente à France24, à margem de uma cimeira mundial em Paris, que era uma "decisão errada" que todos os diamantes vendidos nos países do G7 ou da UE fossem certificados em Antuérpia.

Isso "retira-nos a capacidade de controlo".

"Somos os países produtores. Por que razão não haveríamos de ser de confiança?", questionou.

O Windhoek Observer também citou o ministro das minas da Namíbia, Tom Alweendo, dizendo que submeter todos os diamantes que entram no G7 e na UE a uma verificação através de um único nó em Antuérpia era motivo de preocupação porque acrescentaria camadas regulamentares adicionais, o que poderia resultar em bloqueios, atrasos e um aumento dos custos.

"Isto significaria que a certificação emitida em Antuérpia poderia efetivamente anular a nossa capacidade de autenticar os nossos diamantes como sendo de origem não russa", disse, argumentando que o Sistema de Certificação do Processo de Kimberley se tinha tornado inútil.

O diretor executivo da Associação Africana de Produtores de Diamantes (ADPA), com sede em Luanda, Ellah Muchemwa, concordou que o G7 estava a usurpar o papel do Processo de Kimberley.

Numa carta dirigida ao presidente do KPCS, Ahmed Bin Sulayem, em março, alertou para o facto de esta medida ter um impacto negativo em toda a indústria diamantífera.

"As restrições aceleradas impostas pelo G7 e pela União Europeia (UE) ameaçam ter consequências económicas negativas, directas e indirectas, para a indústria dos diamantes ao longo de toda a cadeia de abastecimento, da mina ao dedo, resultando numa situação de perda para todos", afirmou Muchemwa.

"Isso está acontecendo no contexto de uma desaceleração macroeconômica global que exerce pressão sobre as vendas de diamantes que já resultaram em um acúmulo de estoque e até uma redução de preço de dois dígitos para os principais tamanhos em toda a linha desde 2023."

Ouvir as preocupações

Apesar de serem membros do G7, os Estados Unidos estariam a reconsiderar os elementos mais severos de uma proibição dos diamantes russos provenientes do grupo, após a oposição dos países africanos, dos polidores de pedras preciosas indianos e dos joalheiros de Nova Iorque.

A Reuters noticiou a 20 de maio, citando fontes não identificadas, que "os americanos tinham-se desligado dos grupos de trabalho do G7 sobre os controlos rigorosos".

"Queremos ter a certeza de que encontramos o equilíbrio certo entre prejudicar a Rússia e garantir que tudo é implementável", disse um alto funcionário da administração Biden sob condição de anonimato.

Alegadamente, os líderes do G7 tinham concordado que Antuérpia seria o primeiro centro razoável, com outros a serem acrescentados mais tarde.

No entanto, as fontes da Reuters disseram que Washington tinha "arrefecido na aplicação da rastreabilidade e que as discussões sobre a implementação da rastreabilidade tinham estagnado", enquanto um funcionário da administração Biden disse que o compromisso de implementar um mecanismo de rastreabilidade até 1 de setembro se aplicava à UE, não aos Estados Unidos.

Alguns analistas de diamantes, como Edahn Golan, acreditam que um nó africano está a caminho e que a indústria deve "esperar 'escritórios remotos' da Bélgica no Botswana".

Os seus comentários, em 24 de maio, surgiram depois de o AWDC ter afirmado, num comunicado, que tinha defendido a possibilidade de um ou mais pontos de verificação fora do G7 e da UE.

"Acreditamos que este é um passo necessário para o desenvolvimento de um sistema de controlo que satisfaça os interesses de todas as partes envolvidas, em particular os dos países produtores africanos", afirmou o AWDC.

O Conselho afirmou que a rastreabilidade é agora uma "nova realidade" e está confiante no apoio político a esta visão de "colaboração óptima, transparência e eficiência".

Na medida em que um novo nó seria provavelmente introduzido em Gaborone, as preocupações levantadas pela indústria permanecem as mesmas.

A verificação no Botsuana de todos os produtos africanos continuará a causar atrasos e a aumentar os custos operacionais para os produtores de diamantes.

A decisão de ignorar o PK neste processo de certificação mostra como o G7 e a UE não confiam no cão de guarda dos diamantes, a quem se atribui a redução significativa do comércio de diamantes de guerra.

Resta saber se o sistema de rastreabilidade obrigatório completo será implementado a partir de 1 de março de 2025 e se haverá uma continuidade quando a guerra terminar ou se esta será uma nova realidade, como afirmou o AWDC.

Para a maioria dos produtores de diamantes africanos, eles deveriam estar pensando em um provérbio africano: "Quando os elefantes lutam, é a grama que sofre".

Mathew Nyaungwa, Editor Chefe do Bureau Africano, para a Rough&Polished