Produtor de lítio adquire a mina de diamantes Renard

A Winsome Resources assinou um acordo para adquirir a mina a céu aberto e a mina subterrânea de Renard, bem como as suas infra-estruturas, para utilização como armazém de rejeitos de lítio.

Ontem

Arábia Saudita anuncia concurso para seis licenças de exploração mineira

A Arábia Saudita anunciou um concurso para o desenvolvimento de seis campos mineiros. Os pedidos de participação no concurso são aceites de 1 de abril a 31 de maio, as propostas técnicas devem ser apresentadas até ao início de maio e os vencedores serão...

Ontem

O conselho de supervisão da ALROSA vai realizar uma reunião sobre o pagamento de dividendos para 2023

O conselho de supervisão da empresa russa de extração de diamantes ALROSA vai realizar uma reunião em 12 de abril, na qual irá considerar a distribuição de dividendos para 2023, informa a TASS citando os representantes da empresa.

Ontem

A Petra Diamonds continua no bom caminho para conseguir 75 milhões de dólares de poupanças em dinheiro

A Petra Diamonds continua no bom caminho para realizar poupanças de dinheiro no valor de 75 milhões de dólares no ano fiscal de 2024, em resultado de adiamentos de capital e poupanças de custos de cerca de 10 milhões de dólares.

Ontem

RDC suspende empresas de subcontratação que trabalham em minas geridas pelo ERG

A República Democrática do Congo (RDC) suspendeu nove empresas de subcontratação que trabalhavam em minas geridas pelo Eurasian Resources Group (ERG), aumentando as complicações enfrentadas pelos produtores de cobalto e cobre no país...

10 de abril de 2024

Ellah Muchemwa, da ADPA: As restrições do G7 trarão custos adicionais da extração de diamantes para o retalho

18 março 2024

ADPA.jpgA Associação Africana de Produtores de Diamantes (ADPA), que tem manifestado abertamente o seu desdém pelas restrições ao comércio de diamantes em bruto impostas pelo G7, é de opinião que a medida trará custos adicionais em todas as fases, desde a extração até ao retalho.

A directora executiva da ADPA, Ellah Muchemwa, afirmou que os custos adicionais resultam da introdução unilateral de procedimentos mais longos e complicados para o processamento de transacções comerciais, especialmente as transfronteiriças, incluindo dificuldades com pagamentos e financiamentos bancários, seguros e logística.

Segundo ela, se os preços dos diamantes naturais subirem devido ao aumento dos custos e à restrição artificial da oferta, isso terá um impacto negativo nas carteiras dos consumidores finais e forçá-los-á a comprar alternativas mais baratas, como os diamantes cultivados em laboratório, acelerando assim a diminuição da procura no mercado dos diamantes naturais e tendo um impacto direto nas economias dos países produtores de diamantes.

Leia mais comentários de Muchemwa sobre as restrições do G7 abaixo.


Quais são as consequências das iniciativas do G7 e da União Europeia para a indústria de diamantes?

As restrições aceleradas do G7 e da União Europeia ameaçam ter consequências económicas negativas, directas e indirectas, para a indústria diamantífera ao longo de toda a cadeia de abastecimento, desde a mina até ao dedo, resultando numa "situação de perda para todos".

Esta situação ocorre no contexto de uma recessão macroeconómica global que exerce pressão sobre as vendas de diamantes e que já resultou numa acumulação de existências e numa redução de preços de até dois dígitos para os principais tamanhos a partir de 2023.

Como as medidas do G7 afetarão o tempo de resposta do processamento e transação de negócios de diamantes?

Estes factores irão aumentar o tempo de resposta das empresas de transformação e transação de diamantes, perturbando o ciclo de produção e os lucros da indústria.

O impacto negativo é mais evidente no caso da criação de um nó único de estrangulamento que tem de ser ultrapassado em todas as fases da transformação do diamante, sem que se perceba claramente como é que a verificação será feita no primeiro diamante bruto, depois no mesmo diamante polido derivado do referido diamante bruto, depois no mesmo diamante colocado numa peça de joalharia.

Qual é o efeito líquido das restrições do G7 sobre a concorrência no mercado?

As restrições do G7 levantam questões e preocupações em matéria de concorrência desleal no mercado, uma vez que a vantagem será concedida aos membros do G7, que são produtores de diamantes em bruto isentos de quaisquer custos adicionais de verificação, financeiros, de tempo de execução e de documentação.

Qual é a desvantagem de utilizar uma solução de certificação em detrimento da outra?

As práticas não comerciais de "nomear" nós e privilegiar uma solução técnica/certificação em detrimento de outra resultam em resultados de blockchain dispendiosos para grandes empresas e marcas multinacionais. A ausência de efeitos económicos comprovados ao longo dos últimos anos suscitou sérias preocupações antitrust sobre a concorrência desleal.

O que acontecerá aos países ou aos mineiros artesanais que não podem introduzir imediatamente novos mecanismos de certificação e verificação?

Os países produtores de diamantes, em especial os que praticam a extração artesanal e em pequena escala e os que não podem introduzir imediatamente novos mecanismos de certificação e verificação, enfrentarão também novas pressões indevidas sobre o preço dos seus diamantes por parte dos retalhistas para evitarem gerir riscos "adicionais".

A extração artesanal e em pequena escala contribui de forma significativa para a produção mundial de diamantes em bruto - estimada em 15-20% do fornecimento de diamantes em bruto por quilate e 5-10% em valor.

Este sector é também um dos principais contribuintes para os meios de subsistência na África Subsariana, com cerca de 1,5 milhões de mineiros diretamente envolvidos na produção de diamantes e cerca de 9 milhões de dependentes que beneficiam indiretamente do sector.

Concorda com o argumento de que os diamantes certificados pelo G7 serão vendidos a um preço superior?

A narrativa de que isto permitiria que os produtos "certificados pelo G7" fossem vendidos a um preço mais elevado como um "novo normal" é falsa. Estima-se que o aumento dos custos e do tempo diminuirá os lucros da fase intermédia para perto de zero, mas não aumentará o preço dos produtos polidos a longo prazo.

Se os preços dos diamantes naturais subirem devido ao aumento dos custos e à restrição artificial da oferta, isso terá um impacto negativo nas carteiras dos consumidores finais e forçá-los-á a comprar alternativas mais baratas, como os diamantes cultivados em laboratório (LGD), acelerando assim a diminuição da procura no mercado dos diamantes naturais e tendo um impacto direto nas economias dos países produtores de diamantes.

Os diamantes naturais têm um certo atrativo de recompra em comparação com os LGD, com um potencial enorme de mercado paralelo, mas esta vantagem também pode desaparecer se não forem dadas respostas às questões de como lidar com os bens adquiridos e com o volume de negócios dos diamantes nos mercados de segunda mão.

Quais são as consequências indesejadas da certificação de diamantes do G7?

As consequências indesejadas terão um impacto negativo nos produtores de diamantes brutos naturais, uma vez que se espera que os retalhistas pressionem os fabricantes a comprarem diamantes polidos mais baratos e que os fabricantes pressionem os produtores de diamantes brutos naturais a venderem mais barato para compensar os custos das medidas de certificação adicionais e a introdução da tecnologia de rastreabilidade.

Mathew Nyaungwa, Editor Chefe do Bureau Africano, para a Rough&Polished